Dia do leitor: retrato dos leitores no Brasil

O 7 de janeiro chegou, e para comemorar essa data especial, que é o Dia do Leitor, o blog Livros de Açúcar trouxe para debate o cenário dos leitores brasileiros. A 5ª edição da Retratos da Leitura no Brasil, pesquisa realizada pelo Instituto Pró-Livro, é um referencial importante e com credibilidade para tratar sobre o assunto. A última edição, lançada em setembro do ano passado, possui diversas informações.

A pesquisa, que foi feita em 2019, contou com 8.076 participantes e considerou como leitores os entrevistados que tinham lido pelo menos um livro nos últimos três meses contados a partir do dia da coleta de dados. O estudo afirmou que o número de leitores teve uma queda em relação à edição anterior, de 2015. Enquanto em 2015 o Brasil possuía 104,7 milhões de leitores, em 2019 o número caiu para 100,1 milhões. A média de livros lidos por ano também caiu, só que não é uma mudança drástica: de 4,96 em 2015, para 4,95 em 2019.

Algumas das razões apontadas pela pesquisa de 2019 para o motivo dos leitores entrevistados não terem lido mais nos três meses anteriores ao estudo, foram: falta de tempo (sendo o maior motivo, presente em 47% das respostas dadas), preferência por outras atividades (9%) e a falta de paciência para ler (8%). No entanto, 87% deles afirmaram que gostariam de ter lido mais.

O que prejudica o leitor brasileiro?

Existem motivos para que o público leitor do Brasil não seja maior. O primeiro deles é relacionado ao descaso. Em entrevista ao programa Brasil de Fato no ano de 2019, a mestra em psicologia da educação Sílvia Maria Pereira de Carvalho afirmou que o brasileiro não é incentivado e não conhece o poder que a literatura possui, sendo que muitas das vezes a ideia de ler é assimilada a algo obrigatório.

Outro fator é debatido frequentemente entre os leitores é o preço dos livros, tornando a literatura inacessível a muitas pessoas. Como se o acesso aos livros já não fosse algo elitizado, o ministro da Economia Paulo Guedes decidiu, no ano passado, propor um reajuste tarifário que taxaria livros, colocando impostos sobre eles. Com os impostos, o valor do livro consequentemente aumentaria, prejudicando o leitor. Ou seja, um produto que já não é tão acessível assim, se tornaria ainda mais inacessível. A presidente do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL), Stephanie Borges, deu uma entrevista para o blog Ecoa e afirmou que essa tributação é um problema real, tanto para o público quanto para as editoras. “A minha preocupação é que o preço afaste ainda mais as pessoas do livro. Quem compra não possa comprar e quem quer poder comprar veja essa possibilidade se tornar ainda mais difícil. Acho importante nós considerarmos que há muita gente por aí que gostaria de ter seus livros, uma estante em casa, mas eles não cabem no seu orçamento…”, afirmou Borges para a entrevista de Paula Rodrigues.

Percebe-se, portanto, que a leitura no Brasil não é uma ação prestigiada e nem popularizada. É uma questão tanto cultural (pela visão da obrigação da leitura) quanto política. O próprio governo brasileiro deixa de contribuir para a expansão de um público leitor no Brasil pelas ações que toma; um grande exemplo que prova isso é a visão de Paulo Guedes de que livro é coisa de elite e a proposta de taxação desses produtos.

Consumo de e-books aumenta

Se por um lado o número de leitores sofreu uma queda de mais de quatro milhões no intervalo de 4 anos entre as pesquisas Retratos da Literatura no Brasil, por outro, o consumo de e-books aumentou em 80% no ano de 2020. Essa informação foi compartilhada por meio de um estudo realizado por uma distribuidora de livros digitais, e a principal causa desse aumento é afirmada como sendo a pandemia do novo coronavírus e o distanciamento social, que ocasionou a necessidade de um isolamento das pessoas nas próprias casas. O e-book se mostrou eficaz como forma de entretenimento para muitos indivíduos durante esse período conturbado. Confira mais sobre o assunto na reportagem realizada pelo Programa ND Notícias:

Os livros mais citados

Com muita informação importante, a 5ª edição da Retratos da Leitura no Brasil não poderia de saciar a curiosidade do povo e deixar de comentar sobre os livros mais citados durante o estudo. De acordo com a pesquisa, os mais citados últimos livros de literatura lidos pelos entrevistados, foram:

Bíblia
O Pequeno Príncipe
Diário de um Banana
Harry Potter
A Cabana
A Culpa é das Estrelas
Dom Casmurro
50 Tons de Cinza
Branca de Neve e os Sete Anões
Turma da Mônica
Como Eu Era Antes de Você
O Diário de Anne Frank
As Crônicas de Gelo e Fogo
A Bela e a Fera

Feliz dia do leitor!

E para finalizar o post, o blog deseja a você, leitor, um feliz dia! Continue compartilhando sua paixão pelos livros, isso é importante para mostrar a outras pessoas o poder que a literatura tem. Você pode mudar vidas!

Escrito por

Sou Daniela Esperandio Dias, uma capixaba de 21 anos que é jornalista e tem coluna de uma senhora de 70. Estou na luta para aprender francês, amo ler e escrever, e tenho um cachorro idoso que me acompanha nas minhas tardes de estudo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s