Resenha: Príncipe Cruel – Holly Black

o príncipe cruel

” — Você não é nada. A espécie humana finge ser tão resiliente. As vidas mortais são uma longa brincadeira de faz de conta. Se vocês não pudessem mentir para si mesmos, cortariam a própria garganta para acabar com sua infelicidade.”

NOTA: 🍭🍭🍭🍭🍭

O que eu tenho a comentar sobre a obra O Príncipe Cruel da autora Holly Black só são elogios. Eu gostei de cada pedacinho da história, e os personagens me encataram de uma maneira…

Fonte: GIPHY

Primeiramente, devo avisar que esta resenha possui spoilers. Não é nada de tão grave, mas já deixo avisado.

Segundamente, é legal sabermos a sinopse:

“Jude tinha 7 anos quando seus pais foram assassinados e foi forçada a viver no Reino das Fadas. Dez anos depois, tudo o que ela quer é ser como eles – lindos e imortais – e realmente pertencer ao Reino das Fadas, apesar de sua mortalidade. Mas muitos do povo das Fadas desprezam os humanos. Especialmente o Príncipe Cardan, o filho mais jovem, mais bonito e mais cruel do Grande Rei. Para ganhar um lugar na Alta Corte, ela deve desafiá-lo… e enfrentar as consequências. Envolvida em intrigas e traições do palácio, Jude descobre sua própria capacidade para truques e derramamento de sangue. Mas, com a ameaça de uma guerra civil e o Reino das Fadas por um fio, Jude precisará arriscar sua vida em uma perigosa aliança para salvar suas irmãs, e o próprio Reino.”

Deu para perceber que a história de O Príncipe Cruel possui uma personagem principal bastante forte, o que eu confirmo. Jude Duarte é incrível, muito bem construída e cheia de carisma. Porém, antes de falar de Jude, vamos focar nos acertos e erros do livro, ao meu ver.

Fonte: GIPHY

ACERTOS: o mundo construído por Black é algo sem palavras. Fadas, feéricos, humanos, trolls… Tudo se mistura e um universo mágico é formado com muita tensão, fantasia, deslumbre, traição e medo. A linguagem é bem clara, e dá aos leitores uma descrição boa dos locais e ações dos personagens. As características destes são bem marcadas também. Os plot twists me deixaram de boca aberta, pois são muito bem construídos. A trama é um grande acerto – não há enrolação, nada de cenas gratuitas. Tudo acontece com um propósito.

ERROS: nada encontrado.

Além da magia toda que é apresentada, o lado político também é forte, estando presente em grande parte da história. O que começa com uma simples missão da protagonista em se encaixar em um mundo que não a aceita, se transforma em uma disputa pelo trono absurda e o papel de Jude no auê todo.

Fonte: GIPHY

PERSONAGENS: É complicado focar em todos os personagens mais aparentes na obra, então darei atenção apenas em Jude e Cardan.

“Tentei ser melhor do que todos eles e fracassei. Que tipo de pessoa eu poderia me tornar caso parasse de me preocupar com a morte, com a dor, com tudo? Caso eu parasse de tentar me encaixar nesse mundinho?”

Tive que desenhar Jude. É dessa maneira que ela é na minha cabeça.

“Mal sabia o príncipe Dain que minha verdadeira habilidade é a de irritar as pessoas.”

“Eu não quero me sair tão bem quanto um dos feéricos no torneio. Eu quero vencer. Não desejo ser igual a eles. No fundo do meu coração, eu desejo ser melhor.”

JUDE DUARTE

Quais palavras uso para descrever Jude? É difícil.

Jude é a personagem que narra a história. Ela é uma garota muito forte, destemida e que luta com todas as forças para ser aceita naquele mundo que não foi feito para ela, querendo ser guerreira e pronta para lutar pela Coroa. Como humana, Jude sofre bastante com os feéricos, pois estes odeiam qualquer raça que não seja a deles; Cardan e o grupo dele implicam com ela, porém, a jovem não deixa barato e implica de volta da mesma maneira. Gosto dessa persistência dela em se mostrar forte e igual aos seres mágicos, deixando bem claro que não é um saco de pancadas.

“Balekin bate o cajado na parte de trás das pernas de Cardan, derrubando-o. Eu estou adorando. Parte de mim queria ser a pessoa segurando o cajado.”

CARDAN

Cardan é um dos filhos do Grande Rei, sendo assim, um príncipe. Ele é irresponsável e odeia a ideia de governar, preferindo viver na boemia e com garrafas e mais garrafas de vinho ao lado. Ele tem um prazer enorme em implicar com Jude, e isso é descrito de forma cômica, e às vezes, trágica. Cardan passa dos limites e se mostra um personagem insensível. Ele é cheio de camadas e o primeiro livro não foi o suficiente para eu o avaliar por completo. Não sei se sou empática por ele ou se o odeio. A única certeza possível que posso comentar é que ele é um rapaz charmoso e belo. E que tem uma atração gigantesca e infeliz pela mortal Jude.

Jude e Cardan nutrem uma forte atração um pelo outro e isso é trabalhado de forma bem legal no livro. Não tenho uma opinião formada em relação aos dois como casal, mas devo admitir que torço para que os dos deem certo.

Em conclusão, devo dizer que O Príncipe Cruel é uma mistura de ação, aventura, romance e muita fantasia. Se você gosta de fadas que roubam e matam e explodem coisas, esse livro é uma ótima opção de leitura.

Anúncios

Escrito por

Sou Daniela Esperandio Dias, uma capixaba de 19 anos que tem coluna de uma senhora de 70. Curso jornalismo e estou na luta para aprender francês. Amo ler e escrever, e tenho um caso sério com o chocolate.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s