Um dos livros mais tristes do mundo se chama Vozes de Tchernóbil

Olá! Nesta indicação de leitura devo expor todos os meus mais sinceros sentimentos. O título do post não mente e realmente afirmo que o livro Vozes de Tchernóbil é um dos livros mais tristes que eu já li – talvez, o mais triste.

“O que eu posso dizer? A coisa mais justa no mundo é a morte. Ninguém ainda pôde evitá-la. A terra dá abrigo a todos: aos bons, aos maus e aos pecadores. Não há maior justiça neste mundo” – trecho pertencendo do relato de Zinaida Kovaliénka, residente de uma área proibida (radioativa).

Eu o conheci devido a uma matéria a qual estava cursando no semestre passado – 2018/01-  que pedia aos alunos uma apresentação sobre algum livro que fosse voltado para o Jornalismo – meu curso. Desde quando lançou no Brasil, Vozes de Tchernóbil me chamou a atenção porque sempre fui muito curiosa em relação ao acidente que ocorreu em 1986. E com a obra, a qual foi escrita por Svetlana Aleksiévitch, pude saber e descobrir muito mais sobre o caso.

“Por que viemos para cá? Para Tchernóbil? Porque daqui já não vão nos expulsar. Dessa terra, não. Porque já não é terra de ninguém. Deus a tomou. As pessoas a abandonaram.” Vozes de Tchernóbil pg. 91.

O livro conta histórias reais/relatos de pessoas que conviveram com o desastre e tiveram as vidas completamente mudadas depois do ocorrido. Para quem não sabe, o acidente foi uma explosão em um dos reatores da Usina Nuclear de Tchernobil, localizada na cidade de Pripyat, na Ucrânia. Com isso, radiação foi espalhada por toda a região, matando várias pessoas e adoecendo incontáveis outras.

“Em todos os lugares se falava da catástrofe: em casa, na escola, no ônibus, na rua. Comparavam com Hiroshima. Mas ninguém acreditava. Como se pode crer em algo que não se compreende?” – trecho pertencendo ao relato de Kátia P, que também sofreu com a tragédia.

Na obra de Svetlana, que trabalha com o jornalismo literário, muitas pessoas foram entrevistas e abriram os corações para o que aconteceu. O resultado final, das falas indo ao papel, é simplesmente e insuportavelmente triste. Eu chorei várias vezes enquanto lia os relatos. São histórias reais! São histórias que aconteceram e que muita gente não tem conhecimento.

Recomendo o livro para quem quer mergulhar nos sentimentos dolorosos da humanidade, como os de lidar com a perda, doenças e falta e identidade. As pessoas que moravam perto da usina, as que não morreram, digo, carregam os males consigo. A radiação entra em contato e gruda feito chiclete. A hereditariedade também é afetada. É simplesmente um pesadelo para cada um que deixa os relatos com Svetlana.

Vale à pena ler. E sentir. É impossível não adquirir empatia por cada caso contado e não sofrer junto.

Anúncios

Escrito por

Sou Daniela Esperandio Dias, uma capixaba de 19 anos que tem coluna de uma senhora de 70. Curso jornalismo e estou na luta para aprender francês. Amo ler e escrever, e tenho um caso sério com o chocolate.

Um comentário em “Um dos livros mais tristes do mundo se chama Vozes de Tchernóbil

  1. Realmente é um livro poderoso.
    Assim como você, eu também me entreguei de corpo e alma aos relatos.
    Mais de uma vez ele conseguiu derramar minhas lágrimas.
    Livro excelente pra fazer nos sentirmos mais humanos.

    Parabéns pela resenha!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s