poemas

Poemas: Verbo Ser – Carlos Drummond de Andrade

Para este post trouxe um poema que gosto muito. É um dos meus favoritos, sem dúvidas. Eu o relaciono bastante com a ideia do amadurecimento de uma pessoa, as mudanças que o fato de crescer exercem em alguém. Falar sobre isso me deixa nostálgica e um tanto sufocada; se eu pudesse escolher, voltaria a ter 5 anos. Mas ficar velho faz parte, assim como aprender que o mundo não é um conto de fadas e que nossos pais precisam de nós da mesma maneira que precisamos deles. Assim como entender que nada acontece de graça e que nem todos os sorrisos são sinceros. Enfim, gosto muito dessa obra do digníssimo Carlos Drummond de Andrade.


O poema:


VERBO SER

Que vai ser quando crescer?
Vivem perguntando em redor. Que é ser?
É ter um corpo, um jeito, um nome?
Tenho os três. E sou?
Tenho de mudar quando crescer? Usar outro nome, corpo e jeito?
Ou a gente só principia a ser quando cresce?
É terrível, ser? Dói? É bom? É triste?
Ser; pronunciado tão depressa, e cabe tantas coisas?
Repito: Ser, Ser, Ser. Er. R.
Que vou ser quando crescer?
Sou obrigado a? Posso escolher?
Não dá para entender. Não vou ser.
Vou crescer assim mesmo.
Sem ser Esquecer.

Linda obra, não é?

3 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: